domingo, 23 de setembro de 2012

A serração braçal

            Depois de abatida a árvore com o machado ou com a serra de punhos, esta era cortada em toros nas medidas exigidas pela futura aplicação que teriam.
            Para transformação dos toros (a que chamavam falca) em tábuas ou barrotes, a falca era içada e montada em cima de uma espécie de cavalete (a que chamavam burra). Iniciava-se então a serragem com um serrador em pé em cima da falca e o outro no solo. À custa de grande esforço físico, os 2 serradores faziam uso da grande serra braçal, puxando-a para cima e para baixo.
            Esta profissão artesanal resistiu até às primeiras décadas do século XX, apesar da existência já de serrações mecânicas. As dificuldades de transporte dos grandes troncos até essas serrações, permitiu que se continuasse a fazer a serragem de madeiras junto aos locais de corte (abate) de árvores.
            Nalguns casos, esta longeva profissão manteve-se até meio de século XX.

Serração braçal - anos 30 do séc. XX

Serração braçal - anos 40 do séc. XX

  Serração braçal - ano de 1954

Serra braçal

Recriação de serração braçal
“Viagem Medieval em Terra de Santa Maria – XX Edição”
Santa Maria da Feira – "Estaleiro Naval"

1 comentário:

  1. Ainda me lembro bem das serras manuais nas serrações e com os "civis". Curiosamente vivi na Vieira em 1956/57 onde fiz o resto da 1ª classe e a 2ª e lembro-me de tantas coisas que nunca tinha visto antes quando morava em Lisboa.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...