terça-feira, 5 de março de 2013

Flores do Verde Pinho

            Era na casa de S. Pedro de Moel, sobranceira ao mar, que Afonso Lopes Vieira passava longas temporadas escrevendo os seus poemas.
            Dada a proximidade existente entre a casa e o Pinhal do Rei, a grande Mata, a “Catedral Verde e Sussurrante” como o Poeta viria a chamar-lhe, inspirá-lo-ia na escrita de alguns dos seus poemas.
            Aqui fica um exemplo:

Flores do Verde Pinho

Oh meu jardim de saudades,
verde catedral marinha,


e cuja reza caminha
pelas reboantes naves…
Ai flores do verde pinho,
dizei que novas sabedes
da minha alma, cujas sedes
a perderam no caminho?
Revejo-te e venho exangue,
acolhe-me com piedade,
longo jardim da saudade
que me puseste no sangue.
Ai flores do verde ramo,
dizei que novas sabedes
da minha alma, cujas sedes
a alongaram do que eu amo?
-A tua alma em mim existe
e anda no aroma das flores,
que te falam dos amores
de tudo o que é lindo e triste.
A tua alma, com carinho,
eu guardo-a e deito-a a cantar
das flores do verde pinho
àquelas ondas do mar.
            Afonso Lopes Vieira
Painel de azulejos na Casa Museu Afonso Lopes Vieira

Amália Rodrigues cantou “Flores do Verde Pinho”

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...