sábado, 1 de setembro de 2012

O derrube de lenha

            No início dos anos 40 do século passado, falando da vida social das famílias marinhenses ligadas ao Pinhal do Rei, ou que de lá retiravam algum acréscimo aos seus rendimentos mesmo quando ligadas a outras fontes de rendimento como a indústria do vidro, Arala Pinto no seu livro “O Pinhal do Rei” diz-nos a dada altura:
            “A vida destas famílias é feita ainda pelo somatório do trabalho de cada um dos seus membros. O homem foi para a fábrica acompanhado do filho de 13 anos (…). O filho de onze anos foi para o pinhal derrubar lenha, a mãe ficou em casa a cuidar da alimentação do porco. A filha de 15 anos irá à tarde com a carrocita do burro ou com o carro da vaca carregar a lenha que o seu irmão foi derrubando durante o dia, subindo a pinheiros de 30 metros de altura e com um pequeno podão cortar em cada árvore uma ou duas braças secas. Essa lenha ou é para consumo caseiro ou vai ser vendida, na casa do comerciante, do operário, ou na fábrica.
            Não havendo crise, laborando toda a colmeia familiar, juntam-se no fim da semana as migalhas de todos que dão fartura, dão alegria. ”

Rapaz derrubando lenha no cimo do pinheiro
In: Pinto, A. A., 1941, “O Pinhal do Rei. Subsídios”

Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...