sexta-feira, 13 de julho de 2012

O regresso do Comboio de Lata

            “O regresso do Comboio de Lata”, como título desta mensagem, bem poderia na realidade estar relacionado com a recuperação do antigo Comboio de Lata e o seu regresso à circulação no Pinhal do Rei, transportando a população marinhense e turistas que nos visitassem, em direcção às nossas praias ou em passeios pelo Pinhal, dando a conhecer a grandiosidade e a beleza da nossa Mata.
            De regresso estaria este pequeno comboio histórico, a vapor, que tanto contribuiu para a desenvolvimento do Pinhal do Rei e que, quando deixou de ser necessário, se pôs de parte e se entregou o seu destino, às mãos do sucateiro.
            De regresso estariam também os passeios em dias festivos, como a Quinta-Feira de Ascensão ou o Primeiro de Maio, à semelhança de outros tempos em que o comboio era cedido à população para passeios na Mata ou idas à praia.
            Porém nada disto é real, pelo menos por cá…
            A maioria dos marinhenses desconhecem, em parte, o sucedido ao nosso comboio, a partir do momento em que ele desapareceu do nosso Pinhal. Sabemos que, em 1967, todo o conjunto que compunha o Comboio de Lata, máquinas, carruagens e carris, foi vendido em hasta pública, para sucata, à porta da Repartição de Finanças.
            Uma das três máquinas e uma carruagem de passageiros foram adquiridos pela Câmara Municipal e em 1974 foram colocados em S. Pedro de Moel, pretendendo-se mostrar ou apenas recordar, o que tinha sido o célebre “Comboio de Lata”.
            Mas, sem a adequada protecção, o comboio foi alvo de vandalismo e, em poucos anos, era já avançado o seu estado de degradação.
            Em 1996, por iniciativa da Junta de Freguesia da Marinha Grande, a locomotiva foi retirada de S. Pedro de Moel e exposta na Feira de Artesanato e Gastronomia na Marinha Grande e, em 1997, a mesma Junta promoveu um pequeno restauro da velha locomotiva.
            Em 2011, em mais uma edição da Feira de Artesanato e Gastronomia da Marinha Grande, a Junta de Freguesia voltou novamente a expor a velha locomotiva.
            Mas, então, o que foi feito das outras duas locomotivas?
            Conheci recentemente, Carlos Gomes, um jovem marinhense, profundo conhecedor e entusiasta da ferrovia, que, do muito que tem pesquisado, muito nos tem a dizer acerca do nosso Comboio de Lata. É com o seu contributo e também socorrendo-me de dados retirados da Internet, em http://www.oldkilnlightrailway.com/elouise.php, que passo a relatar o seguinte:
            Das três locomotivas, duas estavam assinaladas com placas, alusivas à sua propriedade em favor das Matas Nacionais, com os dizeres “MNN1” e “MNN2”, o que queria dizer “Matas Nacionais Nº 1” e “Matas Nacionais Nº 2”, sendo que, a terceira, a que ainda hoje está na Marinha Grande, não tinha qualquer indicação (que se saiba).
            Recorde-se que todo o comboio veio para Portugal como forma de pagamento de indemnizações por danos de guerra, a que a Alemanha, perdedora da Guerra 1914/18, tinha sido obrigada a pagar aos países vencedores.
              Sobre a locomotiva designada como “MNN2”, da qual durante muitos anos se desconheceu o paradeiro, sabe-se hoje que se encontra ainda em Portugal numa quinta de organização de eventos, onde, em pedestal, vai servindo de ornamentação exterior.
            Quanto à locomotiva “MNN1”, construída em 1922 pela Orenstein and Koppel of Berlin, depois de vendido todo o conjunto, acabou por ser exposta como atracção turística no exterior de um café em Cascais.
            Em 1969/70, foi vendida para a Inglaterra, onde, após várias mudanças de propriedade, acabou como sucata de um ferro velho.
            Por volta de 1984 foi adquirida por um antiquário de material ferroviário, foi restaurada e logo entrou de novo ao serviço, mas, problemas na caldeira levaram a que, posteriormente,  fosse retirada.
            Em 1996, depois de reparada, a “MNN1” voltou a circular sendo usada alguns domingos de Verão e fins-de-semana de eventos especiais numa quinta de turismo rural em Inglaterra.
            E dito isto, por fim, é caso para dizer que o Comboio de Lata está de regresso, ou pelo menos uma parte dele, só é pena que não seja no nosso Pinhal do Rei, mas sim, geograficamente, tão distante.
            Ainda segundo Carlos Gomes, faz este ano 90 anos, que a “MNN1” das Matas Nacionais foi construída e, para assinalar o seu aniversário, vão realizar-se durante o mês de Julho algumas actividades na Quinta rural em Inglaterra, em que a estrela será a locomotiva “MNN1”. Os ingleses chamam-lhe agora Elouise.
             E daqui, à distância, eu e julgo que todos os marinhenses que a vimos circular no nosso Pinhal do Rei, dir-lhe-emos: Happy Birthday Eloise.


 A “MNN1” à entrada da Guarda Nova nos anos 20 do Séc. XX.
(Foto gentilmente cedida por Carlos Gomes) 

A “MNN1” exposta no exterior de um café em Cascais nos anos 60 do Séc XX.
In: http://www.oldkilnlightrailway.com/elouise.php

A “MNN1” em 1984 à chegada a um antiquário em Inglaterra.
In: http://www.oldkilnlightrailway.com/elouise.php

A “MNN1” antes de 1996 (ainda como foi de Portugal) em Inglaterra.
In: http://www.oldkilnlightrailway.com/archive-pictures.php

A “MNN1” antes de 1996 (ainda como foi de Portugal) em Inglaterra.
In: http://www.oldkilnlightrailway.com/archive-pictures.php

A “MNN1” antes de 1996 (ainda como foi de Portugal) em Inglaterra.
In: http://www.oldkilnlightrailway.com/archive-pictures.php

Transporte da “MNN1”para Porthmadoc em 1996.
In: http://www.oldkilnlightrailway.com/elouise.php

A “MNN1” no Leighton Buzzard railway em 1996.
In: http://www.oldkilnlightrailway.com/elouise.php

A “MNN1” no Leighton Buzzard railway.
In: http://www.oldkilnlightrailway.com/elouise.php

A “MNN1” no Leighton Buzzard railway.
In: http://www.oldkilnlightrailway.com/elouise.php

A “MNN1” no Leighton Buzzard railway em Julho de 2012 com placa alusiva à comemoração dos seus 90 anos após o fabrico .
In: http://www.oldkilnlightrailway.com/elouise.php


2 comentários:

  1. É um pedacinho da nossa história que nos fugio para mãos alheias!Tenho pena que as coisas funcionem desta maneira...

    ResponderEliminar
  2. tenho muita nostalgia deste riquissimo pedaço da n/historia, que eu vivi, quando tinh os meus 8 a 10 anos. Passeei, (num) deste comboio, algumas vêses, a caminho de S.Pedro (praia)---Um Marinhence, que tem hoje 71 Anos---

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...